A ATIVIDADE ELÉTRICA NO CÉREBRO PODE GERAR COMANDOS COMO MOVER UMA MÁQUINA COM O PENSAMENTO

SAÚDE

Edgard Morya, diretor de pesquisa do Instituto Internacional de Neurociência, estuda a interface cérebro-máquina e durante o 7º Fórum LIDE da Saúde e Bem-Estar, que é uma realização do Grupo Doria, falou sobre a evolução da ciência nesse campo. “Essa interface é o registro da atividade elétrica do cérebro, que pode levar a algum tipo de comando, como mover uma máquina apenas com o pensamento”, explicou. Segundo o pesquisador, um paciente que tiver algum prejuízo em seus neurônios, por exemplo, poderá voltar a utilizá-los novamente como parte de seu sistema nervoso.

� Grupo Doria - Todos os direitos reservados